Passar para o conteúdo principal
x

NOTÍCIAS

e
Amiens é Capital Europeia da Juventude 2020

Numa cerimónia que marcou o início das celebrações de Cascais 2018 - Capital Europeia da Juventude, e os 10 anos de atribuição deste título, Carlos Carreiras, presidente da Câmara, anunciou, com Luis Alvarado, o Presidente do Fórum Europeu da Juventude, a cidade francesa de Amiens como a Capital Europeia da Juventude em 2020.

O Mercado da Vila encheu-se de jovens de todos os cantos da europa para assistir à cerimónia de atribuição do título para 2020, disputado pelas cidades de Amines, Chisiñau, Klaipèda, Timisoara e Villach.

Nesta cerimónia, que contou também com a presença do secretário de Estado da Juventude, João Paulo Rebelo, com a comissária da Cascais Capital Europeia da Juventude (CEJ) 2018 , Catarina Marques Vieira e com representantes das cidades concorrentes à organização da CEJ em 2020, Carlos Carreiras garantiu: “Vamos fazer de Cascais a maior Capital Europeia da Juventude de sempre e vamos fazê-lo convosco”, disse.

Num discurso de abertura da cerimónia, que iniciou com a atuação da Sinfónica Juvenil de Cascais, dirigida pelo maestro Nicolay Lalov, Carlos Carreiras falou dos perigos que Europa enfrenta, “aumento do radicalismo e do populismo”, salientando a importância do “espírito tolerante e aberto dos jovens” e da “irreverência e exigência” como caraterísticas fundamentais para contrariar e combater esse aspetos negativos.

Mas também falou da uma europa diferente, da “ideia de uma comunidade de povos na Europa mais unida e solidária” um projeto que, referiu, “se reforça com o contributo de cada jovem europeu onde quer que eles estejam”, salientando porém a necessidade de se “encontarem respostas” para os problemas que a juventude enfrenta “como o emprego ou a habitação ou um estado social que garanta os direitos das gerações mais velhas tal como os direitos das gerações mais novas”. Porém, “o que mais interessa é colocar em ação o potencial transformador dos jovens” porque, “em  todos os tempos foram os jovens as grandes molas do nosso progresso histórico”, rematou.